O Pão de Aveia da Gisela

  • 15 Julho, 2019

Há uns anos atrás foi-me dito que teria que retirar o trigo e os lacticínios da alimentação do meu filho para que os episódios de sinusite e asma desaparecessem. Assim comecei um percurso difícil, mas não impossível, de resolver.

Comecei por deixar de comprar pão, depois de várias reclamações comprei pão sem trigo, continuaram as reclamações e fiquei sem saber o que fazer.

Entretanto inscrevi-me no curso do perfil Alimentar e voltou o entusiasmo na pesquisa de alternativas para todos nós em casa, novos conhecimentos, novas partilhas. Voltei a fermentar alimentos e a fazer experiências em articulação com a Susana também grande entusiasta da fermentação!

Acabei por fazer o pão de centeio de fermentação natural na expectativa de ter encontrado finalmente a solução, mas os meus filhos continuaram a torcer o nariz porque tinha “um sabor esquisito” e ácido mas comiam contrariados e foram aceitando o novo sabor, até que cheguei à solução do “pão perfeito sem trigo de fermentação natural” que gerou grande aceitação pelos filhos em casa e amigos, com quem fui testando as características organoléticas e também de textura.

Como faço tudo a olho dediquei-me nos últimos dias a tomar nota das quantidades, qual cientista louca na cozinha a delirar com os resultados. Fui registando e tirando fotos rapidamente porque os pães iam desaparecendo à medida que saiam do forno.

Fiz a experiência e verifiquei que a aveia não fermenta por si só, mesmo com isco de centeio (massa mãe de centeio fermentada), então para alimentar as bactérias e gerar fermentação temos sempre que juntar centeio.

Experimentei fazer o pão em 3 etapas como preconiza o Sandor Ellix Katz e em 2 para facilitar um pouco esta tarefa de fazer pão em casa sem ter que programar com tanta antecedência.

Quem não tem a sorte de lhe ser oferecido o isco tem que passar pela tarefa emocionante de o fazer, de acordo com o artigo da Susana (Pão de Centeio Fermentação Natural).

Portanto aqui vai o resultado da minha melhor experiência:

Ingredientes

400 grs de farinha de centeio integral

800 grs de farinha de aveia

1250 ml de água morna

10grs de sal

Preparação

1º dia (à noite por exemplo)

Misturar 2 colheres de sopa de isco com 300g de farinha integral de centeio e 500ml de água morna;

WhatsApp Image 2019-06-25 at 19.56.10

2º dia de manhã

Em princípio já fermentou (aumentou de volume e tem bolhas e espaço vazios no interior conforme se pode ver nas fotos).

WhatsApp Image 2019-06-25 at 19.57.39 WhatsApp Image 2019-06-25 at 19.57.09

Juntar 100g de farinha de centeio com um pouco de água morna e mexer.

WhatsApp Image 2019-06-25 at 19.58.58

Retirar 4 colheres de sopa de massa para guardar o isco para o próximo pão (deixar que fermente antes de colocar no frigorífico).

Juntar 800g de farinha de aveia, 750ml de água morna e 10g de sal (derretido na água).

Colocar tudo nas formas forradas a papel vegetal (2 formas).

WhatsApp Image 2019-06-25 at 19.59.22 WhatsApp Image 2019-06-25 at 20.00.36

Se quiser fazer o pão sem ser numa forma, tem que reduzir a quantidade de água (esta será a minha próxima experiência!).

Esperar até que aumente de volume no local mais quente da casa coberto com pano húmido para não secar a superfície (é sensivelmente a manhã toda, depende da temperatura do ar).

Vai ao forno, a 180º C, durante uma hora (ou até mais para quem queira que fique mais tostado e mais seco).

WhatsApp Image 2019-06-25 at 20.02.03 WhatsApp Image 2019-06-25 at 20.03.36

Podem comer com azeite, ghee (Ver aqui como fazer), doce de maçã sem açúcar e até pasta de beterraba fermentada com cenoura ou raiz de aipo).

WhatsApp Image 2019-06-25 at 20.04.09

Não deixem de fazer experiências na cozinha, é sempre gratificante e muito divertido ver os resultados mesmo que não sejam os melhores! Sobretudo os comentários e expressão dos familiares e amigos quando confrontados com novos sabores e aromas naturais pois ao longo destes anos cada vez mais nos temos vindo a afastar dos cheiros, aromas e sabores naturais.

Boas experiências e magias no vosso laboratório!!

Por: Gisela Cid