Ser quem eu Sou

  • 6 Janeiro, 2016

Naquele momento todos voltavam para as suas casas, com excepção de um que se tinha chegado ao Mestre dirigindo-lhe a palavra:

– Mestre, eu sigo-te há pelo menos uns dois anos, faço tudo aquilo que me dizes, mas nada do que dizes funciona!

– Depende de como o fazes.

– Mestre, tu falas em eu definir o que eu desejar e realizar-se-á.

– Sim.

– Mas eu peço e digo exactamente aquilo que quero e nada se realiza, pelo contrário ainda fica pior!

– Podes-me dizer o que tens andado a pedir?

– Sim. Por exemplo: eu não quero continuar neste trabalho onde estou.

– E que mais tens desejado?

– Eu não quero ter mais estas dores nas costas.

– Sim. E que mais tens desejado?

– Eu não quero estar triste e desmotivado.

– Pára. Tu não tens pedido o que queres. Estás apenas a pedir aquilo que não queres. Imagina uma não árvore, consegues fazê-lo?

– Não, aparece-me sempre uma árvore.

– Isso significa que o que tens andado a pedir é: que queres continuar no trabalho que tens, que queres ter dores nas costas e que queres estar triste e desmotivado. Não podes reclamar, tens tido tudo aquilo que desejaste.

– Mas…

– Consegues dizer o que queres?

– Assim de repente não.

– Mas é isso que tens de fazer, definir claramente o que queres. E outra coisa importante. Só querer não chega. Querer é no futuro e sem tempo determinado. O que tu queres é ser.

– Ser?

– Quando vives constantemente no passado tornar-te-ás depressivo e os teus medos e receios tomarão conta de ti. Se por outro lado te focas demasiado no presente, entrarás em stress contínuo, com todas as consequências que as descargas constantes de adrenalina terão para a tua saúde. Mas se é no futuro que queres viver, então começarás a sofrer por antecipação, tornar-te-ás ansioso e não será nenhuma surpresa o aparecimento de ataques de pânico, que se podem intensificar até ao limite do impossível se insistires em aí viver.

– Mas assim não há um tempo óptimo para viver!

– O tempo é irrelevante, o importante é Ser Quem Tu És. Quando és o que és, fazes actividades congruentes com o que és, e isso é aquilo que te define. Não é o tempo onde vives nem aquilo que tu fazes que define quem tu és. É quem tu és que define o teu tempo e o que fazes. E tu, já sabes quem és?

 

Por: Paulo Pais in “Conversas com o Mestre”