TESED – O que é?

  • 10 Abril, 2019

– Fiz uma pesquisa sobre aquilo de que me falaste.

– Estás a falar da ascensão e o seu significado?

– Sim, mas fui mais longe e alarguei a minha pesquisa até à TESED.

– E o que encontraste?

– Sobre a ascensão já a tinha iniciado e tentei ir um pouco mais fundo, mas não trouxe muito mais do que já tínhamos falado.

Apenas gostava de partilhar contigo que, existem nesta época muitas pessoas a fazer canalizações de entidades que estão do outro lado do véu!

– É verdade, parece uma moda e trazem muitas informações. Mas são poucas as que são úteis. Não quero fazer nenhum juízo, mas a verdade é que a maior parte torna os caminhos mais difíceis de interpretar, para além de algumas serem antagónicas.

– Eu percebi isso ao fazer a minha pesquisa… até parece que a “malta” do outro lado do véu só está interessada em baralhar-nos!
Mas não era sobre isso que eu queria falar. O que me traz aqui hoje é a TESED.

– Sim, eu fiquei de te explicar o que é e como podemos usá-la no caminho de descoberta do nosso ser.

– Eu tentei pesquisar sobre isso mas não encontrei muita coisa. Explica-me lá então o que realmente é a TESED!

– Não é fácil explicar em poucas palavras mas vou tentar.

TESED é um conceito de medicina alargado, vê o ser humano não como um amontoado de órgãos e elementos químicos, mas como um sistema em interacção com o meio em que está inserido. Considera igualmente importante todo o passado desse ser mas sem se focar nisso, volta-se mais para o futuro e para a procura de soluções.

TESED é um processo para atingirmos a cura, libertarmos os nossos medos, percebermos que o perdão apenas se aplica a nós próprios, libertarmos a criança interior como forma de iniciar o encontro com a nossa alma. É claro que cada pessoa é uma pessoa e o caminho inicia-se e decorre para cada um de forma diferente.

Por exemplo, existem pessoas que têm dores generalizadas e esse é o seu ponto de partida. Mas este poderá ser, para outras, apenas cansaço ou dores de cabeça, ou sentirem-se tristes e deprimidas, ou até simplesmente a procura do crescimento e maturidade pessoal. Seja qual for o estado inicial que a pessoa experimenta, o processo para a sua resolução é igual para todos, mas o caminho percorrido é diferente para cada um.

Convém salientar que esse percurso pode parar onde a pessoa quiser, ou seja, no alívio de sintomas ou na cura definitiva. Entre um e outro ponto desse caminho, que é a cura final, poderão estar trajectos de dimensões variadas. A vontade da pessoa em querer continuar até ao final, a disposição para implementar todas as mudanças que tem de fazer na sua vida, a confiança para enfrentar todos os seus medos e bloqueios interiores, podem encurtar o caminho.

Este conceito alarga-se de tal modo que acaba por descrever um estilo de vida, ou seja, guiar-me ou ser guiado. Seja qual for o caminho escolhido, todos estão certos e é apenas uma escolha, mas tenho de ser congruente na minha vida com a escolha que fiz.
A questão principal é que o ser humano não gosta de ser guiado, mas gosta das vantagens de o ser. Não se dá bem com rotinas desmotivando-se ao longo do tempo, mas anseia por elas porque transmitem-lhe segurança ao caminhar no habitual e isto acaba por tornar a vida desconfortável, estimulando o aparecimento de doenças.
No Universo existem dois caminhos. Um que leva a que a nossa vida seja guiada e onde precisamos de protecção, outro que leva a sermos nós a construir o caminho e onde tudo o que precisamos é de aprender continuamente sem medo.

Acima de tudo, nestas palavras, existem mesmo dois conceitos de vida diferentes, um é ilusório, o outro é consciente.

– Parece que estás a resumir tudo aquilo que temos vindo a falar…

– É verdade. E se quiseres saber mais, deves ler o livro “TESED – para acabar de vez com a ciência …e tudo o resto”.

Quando passas pelo processo, percebes que chegaste ao teu objectivo quando o vazio interno, que sempre tinhas sentido, se desvanece e começas a sentir a necessidade de disponibilizar para os outros as tuas experiências. Ajudar os outros passa a ser o teu estilo de vida, trocando de forma justa tudo aquilo que fazes.

– O subtítulo “Acabar de vez com a ciência… e tudo o resto” é um pouco arrogante e pretensioso, não achas?

– Apenas refere aquilo em que o mundo se tornou e mostra que, para o mudarmos, temos de acabar com os conceitos transformados apenas para salvaguardar o interesse de alguns, para retornarmos aos conceitos primários com que foram criados.

Ciência e espiritualidade juntos, questionando sem medo das respostas.

Sem descansar enquanto não as encontrar.

Sem ter medo de afirmar que não sabe, em vez de inventar teorias mirabolantes.

– Mas de uma forma mais prática, como é que na realidade funciona?

– Estando baseada num conceito de medicina alargado e holístico, integra tudo aquilo que se faz considerando que cada técnica tem a sua aplicação prática. Por exemplo, se parti uma perna vou precisar de colocar gesso ou mesmo ser operado, não vou tratar esse trauma com Florais de Bach, não seria de todo apropriado!

 A TESED promove o uso e a conjugação de várias técnicas terapêuticas para um mesmo objectivo.

 Utiliza os onze elementos como forma de diagnóstico e de explicação do funcionamento do ser humano.

Relaciona assim os meridianos da medicina chinesa, com os nervos cranianos identificados pela medicina alopática, com o funcionamento dos órgãos e do sistema endócrino.

Considera a mente e os seus processos como essenciais no processo de cura, sem esquecer a alimentação consciente como forma de expressar a mudança.

Incorpora, ainda, no trabalho de desenvolvimento do ser e no caminho para a saúde e longevidade, exercícios e movimentos energéticos que respeitam o livre arbítrio do corpo e da sua essência.

Considera ainda que, a utilização de processos essencialmente químicos devem ser de uso restrito e selectivo.

A mente e a alma são factores importantes no processo de cura e por isso a TESED trabalha especificamente com a energia biogravitacional, com a visualização direccionada e com a visualização não intencional, utilizando uma linguagem e uma verbalização muito directa e especifica que é, nem mais nem menos, a linguagem de codificação do universo com a qual fomos construídos.

Define que o mundo que observamos é reflexo e por isso devemos observá-lo dessa forma, sem julgamentos ou suposições que nos levam em direcções pouco compatíveis com a realidade, pois essa mesma realidade é difícil de ser percepcionada da referência relativa em que nos encontramos.

De um modo muito pragmático, revela que tudo no universo funciona baseado no mesmo processo, sendo essa a forma como a nossa mente está construída. Desde o elemento mais pequeno conhecido actualmente, até às galáxias, tudo tem por base o mesmo processo de funcionamento! E esse conceito pode ser observado, inclusive, na maneira como a sociedade está organizada, na forma como as empresas funcionam e também no modo como a vida se expressa neste planeta. Isto claro, apenas para dar alguns exemplos reais e palpáveis.

Tudo à nossa volta é o resultado do movimento energético de ondas gravitacionais, que estimulam o plasma electromagnético onde vivemos. Partindo deste princípio, chegamos facilmente à conclusão que tudo é um reflexo de algo e que tudo é energia e informação fluindo em nosso redor, da qual somos parte integrante.

– Mas Mestre, explicado dessa forma… TESED é tudo!

– Não é propriamente tudo, mas conjuga e integra conceitos já conhecidos dando-lhe uma forma e uma aplicação prática inovadora, permitindo ao ser humano atingir a cura. Quando se coloca a ciência e a espiritualidade a funcionar em conjunto, permite-se trabalhar com a verdadeira essência do ser humano de forma consistente e congruente, atingindo a sua plenitude.

– Tenho algumas dificuldades em entender tudo mas é interessante o que estás a dizer.

– Existem coisas que por serem tão diferentes daquilo a que nos habituamos, só quando experimentamos é que começam a fazer sentido.

Por: Paulo Pais in “Conversas com o Mestre”